"A arte é uma magia que liberta a mentira de ser verdadeira" Theodor Adorno

quarta-feira, 6 de agosto de 2014

Eles Não Usam Black-tie, de Gianfrancesco Guarnieri

TIÃO – Ninguém vale nada, pai!
OTÁVIO – Como você tem medo!
TIÃO (irritado) – Mas medo de que, bolas!
OTÁVIO (imperturbável) – De ser pobre… da vida da gente!
TIÃO (com um gesto de quem afasta os pensamentos) – Ah! Tou é nervoso… tou apaixonado, pai… Não liga, não! 
(GUARNIERI, Gianfrancesco. Eles Não Usam Black-tie, p. 42)

  Eles Não Usam Black-tie é uma peça de teatro brasileira escrita em 1955 por Gianfrancesco Guarnieri. De acordo com Delmiro Gonçalves, a peça "foi uma das mais sérias e melhores tentativas de uma dramaturgia urbana brasileira". É uma história despretensiosa sobre a vida de alguns exemplares da classe de operários de uma favela carioca nos anos 1950.
   Em tempos de ocorrer uma greve dos metalúrgicos, com o total apoio de Otávio, Tião, seu filho, descobre que vai ser pai do bebê de Maria. Assim, o jovem de aproximadamente 20 anos quer estabilidade financeira para sustentar sua pequena família e poder sair do morro. Tião foi criado pelos padrinhos, na cidade, e servia como babá para os filhos deles. Nunca se adaptou a vida no morro, sendo operário, tendo que fazer greve para que o salário aumente em mixarias. Tião observa a vida corrida e pesada de Romana, sua mãe, sempre tendo que cuidar do barraco, de lavar roupas para outras pessoas e cuidar de seu marido e dois filhos, e não quer que o mesmo aconteça a Maria.

TIÃO – (…) Nesse mundo o negócio é dinheiro, meu velho. 
Sem dinheiro, até o amor acaba! Pois eu vou sê feliz, vou tê amo, 
e vou tê dinheiro, nem que pra isso eu tenha de puxá saco de meio mundo! 
(GUARNIERI, Gianfrancesco. Eles Não Usam Black-tie, p. 68)

   Tião trabalha na mesma fábrica que seu pai, e com a greve, se aderir, há a possibilidade de ganhar aumento ou ser despedido. Se não aderir a greve, será visto como pelego e traidor, porém poderá se manter estável na fábrica. Em poucas páginas, cerca de 100, as dúvidas e medos de Tião se apercebem pelas falas e maneiras, muitas vezes sob palavras de confiança, escondidas e abafadas no meio de outras personagens que a ideologia de correr atrás dos direitos é o motor da vida.
   Sempre quis ler Eles Não Usam Black-tie. Lembro que o encontrei na biblioteca da escola de Ensino Médio que frequentei porém nunca fui tentada o bastante para pegá-lo emprestado. Agora adquiri um exemplar e consegui ler e me emocionar com as personagens, com seus medos, ideologias, sentimentos, e principalmente no final, que achei que acabou como deveria, ficou aquela sensação estranha de muita luta emocional e pouca conquista, bem semelhante à realidade. A peça é para ser popular, foi escrita como fala o povo, e é sobre as lutas do povo. É sobre as pessoas que não usam black-tie, mas que acordam tão cedo para trabalhar e ter um tempinho à noite para ser feliz, ao som de um samba tocado por Juvêncio, um manco, numa noite chuvosa...
Eles Não Usam Black-tie, de
Gianfrancesco Guarnieri

Nosso amor é mais gostoso,
Nossa saudade dura mais
Nosso abraço mais apertado
Nós não usa as "bleque-tais".

Minhas juras são mais juras
Meus carinhos mais carinhoso
Tuas mão são mãos mais puras,
Teu jeito é mais jeitoso...
Nós se gosta muito mais,
Nós não usa as "bleque-tais"...
(GUARNIERI, Gianfrancesco. Eles Não Usam Black-tie, p. 24)

   A peça possui 3 atos e 6 quadros, e é ambientada no barraco de Romana. Foi representada pela primeira vez em 1958, no Teatro de Arena de S. Paulo, com direção de José Renato e performada por Miriam Mehler como Maria, Gianfrancesco Guarnieri como Tião, Lélia Abramo como Romana e Eugênio Kusnet como Otávio. Em 1981, foi lançado o filme com mesmo nome dirigido por Leon Hirsziman, e estrelado por Gianfrancesco Guarnieri como Otávio, Fernanda Montenegro como Romana, Carlos Alberto Riccelli como Tião e Bete Mendes como Maria, com música tema de Adoniram Barbosa, Chico Buarque de Hollanda e Gianfrancesco Guarnieri. Leon Hirsziman recebeu o prêmio FIPRESCI e o Grande Prêmio Especial do Juri no Festival de Veneza, o prêmio Grand Coral no Festival de Havana, Guarnieri recebeu o troféu APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) por Melhor Ator, e ganhou o Margarida de Prata. O filme recebeu atenção especial de John D. French, um professor do Departamento de História da Duke University, que pesquisou a representação social do filme e a verossimilhança com a classe operária brasileira dos anos 50 e 70, clique aqui.
   Guarnieri identifica sua obra como "uma visão romântica do mundo. Pressupõe uma série de valores básicos, imutáveis, através dos quais os problemas surgem, estourando os conflitos, os homens se debatem, mas tudo chegará a bom termo graças a uma providencial ordem natural das coisas, atingindo-se no tempo a harmonia geral esperada, em virtude de uma tomada de 'consciência'. Black-tie, no fundo, é uma peça idealista" que "reflete corretamente muitos aspectos da realidade brasileira".
   Penso que o sucesso da obra se dá por sua sinceridade, por sua representação sócio-política brasileira, pela escrita coloquial e por todo o sentimentalismo que as falas de Maria e Tião se inundam, contrapostas pelas falas de vivência dura de Romana e ideologias políticas de Otávio. É uma história atemporal.

ROMANA – É a verdade, e da verdade ninguém escapa, meu nego. 
E depois, cadeia foi feita pra ladrão, caixão pra defunto. 
Pra que ficá enganando os outros. É o fim mesmo. É ou não é minha filha? 
(GUARNIERI, Gianfrancesco. Eles Não Usam Black-tie, p. 36)

Escrito por MsBrown

Um comentário:

  1. Olá!

    Que obra interessante... e com a essência de valores da nossa literatura. Muito bacana.
    Sinceramente, não o conhecia... gosto muito daqui por conta desse diferencial; dessa bagagem cultura que deve ser disseminada e cultivada na contemporaneidade. Adorei!

    Abraços.
    http://universoliterario.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Comente sempre que quiser. Não deixe de sugerir, criticar e elogiar as postagens, se for o caso. Deixe seu endereço para retribuirmos a visita.

Seguidores

Siga pelo email

Populares

Total de visualizações

Marcadores

1° temporada 1726 1804 1811 1813 1852 1875 1876 1890 1891 1896 1900 1902 1905 1910 1911 1914 1928 1930 1932 1934 1938 1939 1940 1944 1945 1947 1949 1951 1953 1955 1956 1958 1959 1960 1961 1962 1967 1972 1975 1977 1982 1983 1984 1987 1988 2000 2002 2003 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2ª Temporada 99 Classic Movies For People in a Hurry 99 Filmes Clássicos Para Apressadinhos A Bandeja A Cabana do Pai Tomás A Confissão de Lúcio A escrava Isaura A Estreia de Fani A Garota do Outro Lado da Rua A Hora da Estrela A Invenção de Hugo Cabret À Margem da Vida A Modelo e o Monstro A Pequena Fadette A Princesinha A Revolução dos Bichos A Seleção A Streetcar Named Desire A Troca A. L. Savioli Adeus Mr. Chips Afonso Serpa Agatha Christie Agatha Mary Clarissa Miller Água Para Elefantes Albert Lewin almejados para 2013 Amanda Peet Amandine Aurora Lucile Dupin Angela Lansbury Animal Farm Ariano Suassuna Arthur Miller Artigo As Memórias de Greg Heffley As Viagens de Gulliver Asa Butterfield Audrey Hepburn Auto da Compadecida Aventura Aventuras de Uma Criminóloga n°56 baronesa de Dudevant Ben Kingsley Bernardo Guimarães Big Nate in a Class By Himself Billy Connolly Biografia Blake Edwards Blanche DuBois Boneca de Luxo Bonequinha de Luxo Brasil Breakfast at Tiffany's Brian Selznick bruxa da literatura brasileira Caçadores de Bruxas Caminhando na Chuva Canadá Carlos Drummond de Andrade Carolina Munhóz Charles Kieter ChickLit Chris O'Dowd Christoph Waltz Christopher Crowfield Ciclo da Cana de Açúcar Cinema Círculos de Chuva Clarice Lispector clariciana Clássicos Clube do Livro Corações de Neve Coraline Coraline e o Mundo Secreto Corpo de Delito Crepúsculo Cristão Crítica Dakota Fanning Dama do Crime Dame Death of a Salesman Demônios do Oceano Destaques de 2013 dia da mulher Diary of a Wimpy Kid Distopia Divã Do Alto da Torre Doce Pássaro da Juventude Doce Vingança Dois Parlamentos Donna Reed Dragões de Éter Drama Dramaturgia Duque de Cartoon E O Vento Levou Eclipse do Unicórnio editoração Edward Albee Eles Não Usam Black-tie Gianfrancesco Guarnieri Elia Kazan Emily Blunt Érico Veríssimo Especiais especial Especial Aniversário da Autora Estados Unidos estudos literários Extraordinário Extras faculdades Fala sério Fani em Busca do Final Feliz Fani na Terra da Rainha Fantasia Fazendo Meu Filme Feérica Feios feminismo Filme Fiquei com seu número Focus formação de escritor Frances Hodgson Burnett Francis Lawrence George Orwell George Peppard George Sand George Sanders Georges Méliès Giancarlo Berardi Gone With the Wind Goodbye Mr. Chips Gospel Gulliver's Travels Haia Pinkhasovna Lispector Hal Holbrock Harriet Beecher Stowe Henrik Lange Henry Mancini Henry Selick Hiato HQ Hugo Hurd Hatfield I've got your number Indústria Cultural Infantil Inglaterra Irlanda Itália J. Kendall J.K. Rowling Jack Black James Hilton Jane Austen Jason Segel Jeff Kinney Jenny Carrol João Cabral de Melo Neto John Boyne Jonathan Swift José Lins do Rego Judy Garland Justin Somper Juvenil Kiera Cass L. Frank Baun Laura Lee Guhrke Lauren Kate letras Lima Barreto livro póstumo Lycia Barros Márcio Pimenta Mário de Sá-Carneiro Marlon Brando Martha Medeiros Martin Scorsese Maurizio Mantero Meg Cabot Meggin Patricia Cabot melhores livros lidos em 2012 Menino de Engenho Miguel Falcão Minha Vida Fora de Série Moise e o Mundo da Razão Moon River Morro dos ventos uivantes Morte de um Caixeiro Viajante Morte e Vida Severina Morte e Vida Severina e Outros Poemas Para Vozes Morte Súbita Neil Gaiman Nora Roberts Nosso Amor de Ontem Novela O Auto do Frade O Dia em Que Nate Entrou Para a História O Livro das Princesas O Mágico de Oz O Menino do Pijama Listrado O Mistério do Trem Azul O Morro dos Ventos Uivantes O Quinze O Retrato de Dorian Gray O Rio O Roteiro Inesperado de Fani Olhai os Lírios do Campo Orgulho e Preconceito Oscar Wilde pai! Patrícia Barboza Paula Pimenta Peça Teatral Perfeitos Platônico Poesia Poeta Policial Portugal Pretties Pride and Prejudice Princesa Pop Promessas para 2014 Qual Pecado te Seduz? Quem Tem Medo de Virginia Woolf? R.J. Palacio Rachel de Queiroz Rainha Teen Literária Raphael Draccon redes sociais Reese Whiterspoon Resenha Richard LaGravenese Rob Letterman Robert Pattinson Romance romance em quadrinhos Romântico Romantismo Sabrina Sandra Brown Sara Gruen Scott Westerfeld Sentimento do Mundo série Feios Socialismo Sophie Kinsella Specials Suécia Suspense Sweet Bird of Youth Sweet Revenge Tennessee Williams Teri Hatcher Thalita Rebouças The Boy in The Striped Pyjamas The Casual Vacancy The Glass Menagerie The Invention Of Hugo Cabret The Little Princess The Marriage Bed The Mystery of The Blue Train The Picture of Dorian Gray The Selection The Switch The Wizard of Oz The Wonderful Wizard of Oz Theodor Adorno Thomas Lanier Williams Thomas Wengelewski Triste Fim de Policarpo Quaresma Truman Capote TV Escola Ucrânia Uglies Um Bonde Chamado Desejo Um Olhar Para o Sol Um Sopro de Vida Uma Rua Chamada Pecado Uncle Tom's Cabin Vampiratas Vampirates: Demons of the Ocean Viagens de Gulliver Victor Fleming vida de escritor Vivien Leigh Water for Elephants Who's Afraid Of Virginia Woolf? Wonder
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Copyright © As Mil e Uma Noites | Traduzido Por: Mais Template - Premium Blogger Templates